Evangelho no Lar

Entende-se por “Evangelho no Lar” a reunião da família, em dia e hora previamente marcados, para o estudo do Evangelho à luz da Doutrina Espírita e para a oração em conjunto.
O “Evangelho no Lar” tem por finalidade:
1. Estudar “O Evangelho Segundo o Espiritismo” de maneira seqüencial para compreender as lições de Jesus “em espírito e verdade” e aplicá-las no dia-a-dia.
• Evangelho bem compreendido pode ser melhor sentido e exemplificado.
2. Criar o habito do estudo e da oração em família, fortalecendo a amizade e o sentimento de fraternidade que deve existir em cada um e unir a todos.
• Os corações que vibram unidos fortalecem os laços do amor.
3. Criar, no ambiente doméstico, momentos de paz e de compreensão, higienizando o Lar através de pensamentos e sentimentos elevados, o que facilita o amparo dos Mensageiros do Bem, que vêm em nome
de Jesus.
• Quando o Cristo entra em casa, o Lar se transforma em templo de Luz.
4. Fortalecer, nos integrantes do Lar, a coragem e a esperança, a alegria e a boa-vontade para com todos, necessárias na superação das dificuldades materiais e espirituais.
• Vibrações fortificadas no Bem robustecem a alma para as lutas redentoras.
“Quando o Evangelho penetra o lar, o coração abre mais facilmente a porta ao Mestre Divino” –

Emmanuel (“Jesus no Lar”)

 
“Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros. Eis por que os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos.”
Allan Kardec (O Livro dos Espíritos, Questão 774)
Como Realizar o “Evangelho no Lar”
1. Escolher um dia e uma hora da semana em que seja possível a presença de todos os familiares, ou da maior parte deles, inclusive das crianças.
• Observar rigorosamente o dia e o horário estabelecido para o Evangelho no Lar.
2. Reunir os familiares, e possíveis amigos que estejam presentes, em um local da casa onde possam estudar e orar tranqüilamente sem serem interrompidos.
• Nada deve interferir na realização da reunião: nem visitas, nem telefonemas, nem conversas.
3. Colocar um pequeno copo com água para ser fluidificada, para cada pessoa presente.
• Essa água, ingerida, transmitirá fluidos revitalizantes.
4. A reunião poderá ser dirigida pelo responsável pela família ou por quem ele determinar. Este escolherá quem fará a prece inicial, quem fará a leitura, quem fará a vibração e quem fará a prece final da reunião.
• Organização nas funções e disciplina darão maior segurança e aproveitamento à reunião.
5. Iniciar a reunião com uma prece curta, simples e espontânea em que o coração, mais que as palavras, pede a presença de Jesus e dos Amigos Espirituais que velam pelo Lar.
• O pensamento bem direcionado atrairá as benções do Alto.
6. Fazer a leitura, em seqüência, de um trecho de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. Em seguida cada participante procurará comentá-lo com simplicidade, buscando a essência do ensinamento evangélico e a sua aplicação na vida diária.
• Cada um deve comentar o trecho que mais o tocou, ou que achou mais bonito e importante, de tal maneira que todos possam falar com simplicidade e sem constrangimentos, para que o assunto fique bem compreendido.
7. Fazer as vibrações. Com palavras simples, o participante encarregado de fazê-las, encaminhará os pensamentos de todos em benefício:
a) da proteção ao lar, pedindo o amparo espiritual para envolvê-lo em vibrações fraternas;
b) do amparo aos familiares, presentes e ausentes, aos amigos e aos vizinhos;
c) da assistência espiritual a todos os enfermos, aos idosos, às crianças, aos jovens, aos desencarnados, aos toxicômanos, aos encarcerados, aos suicidas e outros;
d) de casos especiais;
e) da paz para o seu bairro, para sua cidade, para o seu país e para o mundo todo;
f) da fluidificação das águas e do passe espiritual para os presentes.
• A vibração de amor é o veículo natural da paz.
8. Fazer a prece de encerramento, com palavras simples de agradecimento a Deus, a Jesus e aos Amigos Espirituais.
• A oração é a chave que abre as portas para o socorro Divino.
Recomendações
• Não permitir conversação menos digna antes, durante ou depois da reunião.
• Não permitir comentários menos edificantes sobre tragédias, pessoas ou religiões.
• Não suspender a reunião por motivo de visitas inesperadas (estas serão convidadas a participar), passeios ou acontecimentos fúteis.
• As crianças presentes serão convidadas a participar das atividades da reunião, com um canto ou poesia de fundo moral elevado, contando uma estória ou fazendo uma prece, ou mesmo participando dos comentários, tudo conforme sua idade, capacidade ou possibilidade.
• A reunião deverá ter a duração mínima de 30 minutos e máxima de 1 hora.
Conselho Espírita Internacinal
Livro:  Diretrizes de Apoio para as Atividades Espíritas (página: 56 e 57)
Outubro/1999

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s