O Enigma da Obsessão

Comentávamos em circulo íntimo o inquietante enigma da obsessão na Terra, alinhando observações e apontamentos.

Por que motivo se empenham criaturas encarnadas e desencarnadas em terríveis duelos no santuário mental? Que a vítima arrancada ao corpo, em delito recente, prossiga imantada ao criminoso, quando a treva da ignorância lhe situa o espírito a distância do perdão, é compreensível, mas como interpretar os processos de metodizada perseguição no tempo? Como entender o ódio de certas entidades, em torno de crianças e jovens, de enfermos e velhinhos? Por que a ofensiva persistente dos gênios perversos, através de reencarnações numerosas e incessantes?

No mundo, os assalariados do mal comprometem-se ao redor de escuros objetivos…

Há quem se renda às tentações do dinheiro, do poder político, das honras sociais e dos prazeres subalternos, mas em derredor de que razões lutam as almas desenfaixadas da carne se para elas semelhantes valores convencionais de posse não mais existem?

Longa série de “porquês” empolgava-nos a imaginação, quando Menés, otimista ancião do nosso grupo, à maneira de carinhoso avô, falou bem humorado:

– A propósito do assunto, contarei a vocês um apólogo que nos pode conferir alguma ideia acerca do nosso imenso atraso moral.Leia mais »

Autodesobsessão

Resultado de imagem para Autodesobsessão

Se você já pode dominar a intemperança mental…

Se esquece os próprios constrangimentos, a fim de cultivar o prazer de servir…

Se sabe cultivar o comentário infeliz, sem passá-lo adiante…

Se vence a indisposição contra o estudo e continua, tanto quanto possível, em contato com a leitura construtiva…

Se olvida mágoas sinceramente, mantendo um espírito compreensivo e cordial, à frente dos ofensores…

Se você se aceita como é, com as dificuldades e conflitos que tem,trabalhando com tudo aquilo que não pode modificar….Leia mais »

Alergia e Obsessão

Resultado de imagem para obsessão

A noite de 15 de julho de 1954 trouxe-nos a alegria do primeiro contato com o Espírito do Dr. Francisco de Menezes Dias da Cruz, distinto médico e denodado batalhador do Espiritismo, que foi Presidente da Federação Espírita Brasileira, no período de 1889 a 1895, desencarnado em 1937.

Tomando as faculdades psicofônicas do médium, pronunciou a palestra aqui transcrita, que consideramos precioso estudo em torno da obsessão.

Subordinando o assunto ao tema “alergia e obsessão”, elucida-nos sobre a maneira pela qual facilitamos a influenciação das entidades infelizes ou inferiores em nosso campo físico, desde as mais simples perturbações epidérmicas aos casos dolorosos de avassalamento psíquico.

Quem se consagra aos trabalhos de socorro espiritual há de convir, por certo, em que a obsessão é um processo alérgico, interessando o equilíbrio da mente.Leia mais »

Obsessão e Dívida

Imagem relacionada

Quando surgiam casos de obsessão no grupo, recorria-se, imediatamente, a Sinfrônio Lacerda.
Era ele, sem dúvida, o companheiro ideal para a situação.
Dotado de altas qualidades magnéticas, sabia orientar como ninguém.
Tratava-se, efetivamente, dum amigo generoso e bem-intencionado.
Não regateava a colaboração fraterna aos doentes, nem se inclinava a preferências individuais.
Primava pela delicadeza e pela pontualidade onde fosse convidado a contribuir para o bem.
Por sua clarividência admirável, aliada a firme disposição de servir, atingia as melhores realizações.
Especializara-se, por isso, na assistência aos obsidiados, em que obtinha verdadeiros prodígios a lhe coroarem a dedicação.
Sinfrônio, contudo, não obstante a inteireza de caráter e a bondade ativa em determinados setores do serviço, não se conduzia nas mesmas normas, diante dos desencarnados sofredores ou ignorantes.
Dispensava aos médiuns enfermos ou perseguidos o maior carinho, concentrando, porém, sobre as entidades em desequilíbrio a máxima rispidez. Leia mais »

Quando nós mesmos somos os obsessores?

Resultado de imagem para Quando nós mesmos somos os obsessores?

Sabemos que espíritos obsessores podem nos prejudicar e sugar nossas energias.

No entanto, muitas vezes nós mesmos somos os obsessores das outras pessoas.

Somos os obsessores quando desejamos fazer prevalecer nossas idéias e impor nossas verdades a outrem.

Somos os obsessores quando criticamos, julgamos o condenamos o outro sem pleno conhecimento de causa.

Somos os obsessores quando temos ciúme e queremos obter a posse do outro.

Somos os obsessores quando batemos o pé e forçamos o outro a seguir a nossa vontade.

Somos os obsessores quando exigimos que o outro faça por nós algo que nos cabe fazer.

Somos os obsessores quando desejamos vencer uma discussão, instituir nossas verdades e firmar nosso ponto de vista.

Somos os obsessores quando burlamos o livre arbítrio alheio e o fazemos trilhar o caminho que nós julgamos correto.Leia mais »

Demônios: Possessão

Existe a possessão demoníaca?

Tradicionalmente, o demônio é considerado o anjo revoltado que eternamente combate a Deus e instiga o homem para o mal. O Espiritismo dá interpretação diferente. Não é compatível com a sabedoria e a bondade divinas a criação de seres para sempre voltados à maldade e à destruição. Deus não faz nenhuma distinção entre seus filhos. Cria-os todos simples e ignorantes e dá-lhes as mesmas oportunidades de alcançar a felicidade, pelo desenvolvimento da inteligência e dos sentimentos.

O demônio é simplesmente um espírito que ainda não compreende as leis divinas e, não podendo ser feliz, não quer permitir que os outros também o sejam. Pelos crimes cometidos, afundou-se tanto nas trevas que não acredita possa um dia libertar-se dela; desconhecendo os efeitos salutares do amor, apega-se à força e a emprega contra todos e tudo, imaginando com isso manter-se indene de quaisquer investidas contra si, mesmo as de Deus, cujo domínio recusa-se a admitir. Contudo, por mais que se demore no mal, a lei do progresso fará com que se arrependa e retorne ao caminho do bem.Leia mais »

Encosto

Existe mesmo aquilo que o povo chama de Encosto?

O termo é bem popular, mas tem a sua razão de ser.  Significaria a presença de um espírito junto a uma pessoa, passando a esta sensações ruins.  O fato é possível e mais comum do que se imagina.

Consideremos, primeiro, que a nossa essência é espiritual, ou seja, nós somos uma alma encarnada num corpo de carne e retornamos à espiritualidade após a morte deste.  Só não acreditam nisso os materialistas.  As religiões divergem apenas nos detalhes.Leia mais »